Vacinas disponibilizadas pela rede pública para adultos, idosos e gestantes

Hepatite B: Adultos (incluindo idosos) que não tiverem comprovação de vacinação contra hepatite B, devem receber o esquema completo, com três doses. A segunda e a terceira devem ser aplicadas, respectivamente, 30 e 180 dias após a primeira. Para os que tiverem esquema incompleto (1 ou 2 doses), completar até a terceira dose (não reiniciar o esquema).

dT (difteria e tétano): Adultos a partir de 20 anos de idade (incluindo idosos), que não tiverem comprovação de vacinação contra difteria e tétano, devem receber o esquema completo, com 3 doses da dT. Para os que tiverem esquema incompleto (1 ou 2 doses), completar até a terceira dose (não reiniciar o esquema). Os adultos com 3 doses ou mais de DTP, DT ou dT, devem receber apenas dose de reforço.
Em casos de ferimentos, considerado de alto risco, para o tétano, deve se antecipar a dose de reforço para cinco anos após a última.

Tríplice viral (SCR): Adultos até 49 anos de idade devem receber uma ou duas doses, para homens e mulheres de até 49 anos, conforme situação vacinal. Receber no mínimo duas doses na vida.
Dose única para homens e mulheres com mais de 49 anos em clínicas particulares ou com mais de 29 anos até 49 anos de idade, nas Unidades Básicas de Saúde.

Febre amarela: Adulto deve receber dose única, caso já tenha a comprovação vacinal que já recebeu a vacina. Não receber novamente outra dose da vacina. Já o idoso, deverá ser avaliado o risco/benefício da vacina.

Influenza (gripe): Pode ser feita em qualquer idade. Sua dose é anual.

Nas Unidades Básicas de Saúde, seu uso é restrito apenas para:

HPV (Papilomavírus Humano): Mulheres entre 19 e 26 anos necessitam de três doses, sendo que o intervalo, depende do laboratório produtor. Esse esquema faz parte das redes particulares e Cries (Centros de Referências para Imunobiológicos Especiais).

Hepatite A: Pode ser com qualquer idade, sendo duas doses: a 2ª dose seis meses após a 1ª dose.
Disponível em clínicas particulares e Cries.

Hepatite A e C: Pode ser com qualquer idade, sendo três doses: a 2ª dose um mês após a 1ª dose e a 3ª seis meses após a 1ª dose.
Disponível em clínicas particulares e Cries.

Varicela (catapora): Adultos sem história de varicela, recebe duas doses, com intervalo de dois meses entre elas.
Encontrada para adultos apenas nas redes particulares e Cries.

Pneumocócica 23v: Idosos acima de 60 anos de idade deve receber dose única. O reforço deve ser cinco anos após a 1ª dose. Essa vacina é indicada para doenças crônicas (cardiopatas, pneumopatas, diabetes, entre outras).

dT (Dupla adulto): A gestante deve estar vacinada com pelo menos três doses da vacina contendo o componente tetânico. Caso não tenha tomado nenhuma dose, deve iniciar o esquema com duas doses da vacina dT e, pelo menos, uma dose da vacina dTpa acelular; com um intervalo mínimo de 60 dias entre as doses e mínimo de 30 dias, lembrando que a dTpa acelular deve ser administrada a partir da 20ª semana de gestação, o mais precocemente possível.

dTpa (Tríplice bacteriana acelular do tipo adulto): A gestante deve receber uma dose da dTpa acelular em cada gestação. Deve ser administrada a partir da 20ª semana de gestação o mais precocemente possível) até a 36ª semana de gestação, caso não tenha recebido nenhuma dose. Quando apresentar o esquema vacinal incompleto, deve completa-lo com a dTpa acelular ou se estiver completo o esquema vacinal, deve receber uma dose da dTpa acelular como dose de reforço.
Administrar a dose até 20 dias antes da data provável do parto, considerando o histórico vacinal de difteria e tétano (dt).
Para aquelas que perderam a oportunidade de serem vacinadas na gestação, administrar uma dose da dTpa acelular no puerpério, o mais precocemente possível.

Hepatite B: A gestante deve ter o registro de três doses, com um esquema de 0, 1 e 6 meses. Essa vacina é recomendada para todas as gestantes suscetíveis. Caso, esteja incompleto o esquema, dar continuidade de onde parou.

Influenza (gripe): Dose única e anual. A gestante está no grupo de risco para as complicações da infecção pelo vírus influenza.
Nas campanhas de vacinação com a vacina influenza, a gestante pode comparecer a uma Unidade Básica de Saúde para receber a dose da vacina, podendo ser em qualquer época da gravidez.

Hepatite A: A gestante pode receber essa vacina, pois é inativada, portanto, sem contraindicação. Como o risco de exposição ao VHA é frequente, a vacinação deve ser levada em consideração.
O esquema é de duas doses (0 e 6 meses). Pode ser feita em situação especial, com indicação médica.
Essa vacina, para adultos, é encontrada nas clínicas particulares e em Cries (Centros de Referências para Imunobiológicos Especiais).

Pneumocócicas: O esquema sequencial da vacina pneumocócica 13 (VPC 13) e vacina pneumocócica 23 (VPP 23) pode ser feito em gestantes de risco para doença pneumocócica invasiva.

Essa vacinas estão disponíveis nas redes particulares e em Cries (Centros de Referências para Imunobiológicos Especiais).

Nota: As vacinas contraindicadas na gestação: HPV, Dengue, Varicela, Tríplice viral e Febre amarela.

Também pode te interessar
Saiba quais são as melhores profissões da área de saúde em 2018
Sobre Nós:

Medicina Virtual é um site com o objetivo de ajudar as pessoas a terem mais conhecimento da área de medicina, aqui você pode saber sobre dietas, saúde, tratamentos, doenças, bem-estar, entre muitas outras coisas!

Siga-nos em nossas redes sociais:
© 2018 Medicina Virtual - Todos os direitos reservados

Atenção: O site Medicina Virtual é apenas um site de aprendizado e educação, então nossas informações não devem ser utilizadas para outro fim, a não ser o de aprendizado, sendo assim NÃO substituimos quaisquer exames médicos